Executivo do Safra é denunciado

No início tentaram nos imputar como caloteiros e maus pagadores, negativando nossas empresas e o nome da nossa família, conseguimos provar com sentença confirmada no STJ que o Safra sim nos roubou.

https://www.safraude.com.br/sentencas/ministro-do-stj-confirma-acordao/

Segunda parte da estratégia do Safra, foi desqualificar moralmente a sua ex-funcionária a gerente da nossa conta, tentando colocar todo a culpa da picaretagem em cima dela.

https://www.safraude.com.br/declaracoes/declaracao-publica-em-cartorio/

https://www.safraude.com.br/declaracoes/depoimento-testemunha-caso-banco-safra/

E como estratégia final, a contratação de capangas para nos coagir e amedrontar. Só que essa tentativa acabou indiciando o Banco Safra por intermédio de seu funcionário Sebastião Jesus Garozzo pelos crimes:
-PORTE ILEGAL DE ARMAS
-COAÇÃO AO CURSO DO PROCESSO

MARCADA AUDIÊNCIA 09/02/2017 DO PROCESSO CRIME DE COAÇÃO AO CURSO DO PROCESSO - 2° VARA CAMPINAS

22 DE OUTUBRO DE 2015, MP OFERECE A SUSPENSÃO CONDICIONAL DO PROCESSO
ART. 77 DO CP AO SR. SEBASTIÃO JESUS GAROZZO (FUNCIONARIO DO SAFRA) E SR. ELIAS RICARDO ALVES (CHEFE DOS CAPANGAS)