FERRAMENTA DO GOLPE – AS MAQUINAS DE CARTÕES DE CRÉDITO

Existem no Brasil, aproximadamente 6,3 milhões de empresas. Desse total, 99% são de micro e pequeno porte. Esses pequenos negócios respondem por mais de dois terços da geração de emprego no setor privado, contam com no máximo 10 funcionários, e em geral são administradas pelos próprios familiares.

Segundo dados do SEBRAE-SP, a maioria dessas empresas são alavancadas pelo capital de terceiros, utilizando assim um grande volume de financiamento pelos bancos públicos e privados. A iniciativa de elaborar uma Cartilha voltada aos meandros dos Bancos foi motivada por uma razão pessoal.

De um lado, uma empresa familiar, formada por comerciantes do ramo de calçados, com quase 8 décadas de atuação. Na outra ponta, o Banco Safra, o nono maior Banco em ativos do Brasil, réu em mais de 11 processos judiciais referentes há quase 5 anos de perdas financeiras sofridas pelas lojas da família, alvos de um golpe orquestrado à partir de uma modalidade de crédito conhecida e utilizada pela maioria dos microempresários: a “Operação Fumaça”, sendo recebíveis do cartão de credito – utilizando as MAQUINAS DE CARTÃO como ferramenta para o golpe. (Clique aqui e veja detalhes)

Se a trama por si só é alarmante, os bastidores desse caso expõe a face criminosa dos Safras, evidenciada pelos caminhos que tomou essa operação de ressarcimento financeiro.

Os métodos utilizados contra os empresários da família para o objetivo da intimidação passam por petições judiciais pela retirada do site safraude.com.br da internet (negada) (Clique aqui e veja detalhes), e uma investigação criminal acionada pelo flagrante a “capangas” (Clique aqui e veja detalhes), e detidos com diversos tipos de armas, como porretes, munição, faca, e algemas, enquanto seguiam um dos sócios das lojas da família, durante o expediente de trabalho, comprovadamente contratados pelos Safras, denunciados pelo MP, (Clique aqui e veja detalhes)

Aqui fica o alerta para os mecanismos catalisadores do tipo de golpe AS MAQUINAS DE CARTÃO DE CREDITO, e como a omissão do Banco Central (Clique aqui e veja detalhes) , bem como do corporativismo que impera no meio.