SUPERINTENDENTE DE SEGURANÇA DO BANCO SAFRA SEBASTIÃO JESUS GAROZZO É CONDENADO PELO CRIME DE COAÇÃO ART:344 CP.

SUPERINTENDENTE DE SEGURANÇA EXECUTIVA DO BANCO SAFRA SEBASTIÃO JESUS GAROZZO É CONDENADO PELO CRIME DE COAÇÃO.

CRIME DE COAÇÃO ART:344 CP.

(sentença cabe recurso)

O Dr. Abelardo de Azevedo, Juiz da 2° vara criminal de Campinas SP, condenou (01/10/2019) o superintendente de segurança do Banco Safra
SEBASTIÃO JESUS GAROZZO pelo crime do art: 344 do CP, crime de coação, ficou comprovado que, Sebastião contratou a empresa Unit Consult
que enviou um detetive particular (armado com faca, algema, porrete e munição) para perseguir os clientes do banco que têm conseguido
reverter nos tribunais cobranças de dívidas baseadas em contratos assinados em branco. O investigador, também foi condenado por porte
ilegal de arma somada ao crime de coação.

A instituição do banqueiro mais rico do mundo, o bilionário Joseph Safra, enfrenta uma batalha judicial com os proprietários das lojas Bootco.
Os desentendimentos já duram treze anos. Eles discutem cobrança sobre juros na antecipação de vendas com cartão de crédito.
Na Justiça, os lojistas têm vencido o Safra e obtiveram decisões que os transformam em credores, em vez de devedores do sexto maior banco privado do país.

De acordo com o promotor João Carlos Moraes, o objetivo de SEBASTIÃO foi “espionar e amedrontar mediante perseguições” os ex-clientes, levantar informações negativas contra eles a fim de tentar “forçar acordos judiciais” já que as sentenças estavam prejudicando os negócios do banco. O superintendente de segurança percebeu “os resultados desfavoráveis nas sentenças judiciais”, de acordo com o Ministério Público, na alegações finais de 14/03, Moraes escreve que “… a instituição bancaria de renome internacional e agiu, ao concorrer a coação ao curso do processo, como se estivesse na Chicago mafiosa na década de 20

19/10/2020 cumprimento de sentença Baixar

Sentença Condenatória – Sebastião Jesus Garozzo e Jeferson Fiuza Baixar

Denúncia do Ministério Publico Baixar

Laudo Armas encontradas com os Capangas Baixar

Memorial do Ministério Publico Baixar

Memorial Assistente da Acusação Baixar

English version

SAFRA BANK SECURITY SUPERINTENDENT SEBASTIÃO JESUS GAROZZO IS CONDEMNED BY THE CRIME OF COERCION ART:344 CP.

crime of coercion ART:344 CP.

(sentence can be appealed)

Brazilian version
Dr. Abelardo de Azevedo Judge of the 2nd criminal court of Campinas SP, condemned (01/10/19) the security superintendent of Banco Safra
SEBASTIÃO JESUS ​​GAROZZO for the crime of article: 344 of CP, coercion crime, It was proved that Sebastião hired the company Unit Consul
who sent a private detective (armed with knife, handcuff, iron bar and ammunition) to chase the bank’s customers who have been able to roll back
debt claims based on blank signed contracts. The investigator was also convicted of illegal possession of a weapon in addition to the crime of coercion.

The institution of the richest banker in the world, billionaire Joseph Safra, faces a court battle with store owners Bootco. The disagreements last thirteen
years. They discuss charging interest on early credit card transactions. In court, shopkeepers have won the Safra and obtained decisions that
make them creditors rather than debtors in the country’s sixth largest private bank.

According to prosecutor João Carlos Moraes, SEBASTIÃO’s goal was to “spy and frighten through persecution” the former customers raise negative
information against them in order to try “Enforce court settlements” as sentences were hurting the bank’s business. The security superintendent
realized “Unfavorable results in court rulings”, according to the prosecutor, in the final allegations of 3/14, Moraes writes that “… the internationally
renowned banking institution and acted by coercing the course of the process, As if he himself lived in Chicago in the 1920s”

Sentence – Sebastião Jesus Garozzo e Jeferson Fiuza
Download